busca por faixa etaria

Meu filho se queimou, e agora?


da redação

Esqueça as pomadas, óleos e outros produtos que só vão atrapalhar. A água deve ser o remédio imediato

O perigo pode estar no fogão ou quando, ao simples descuido dos pais, o bebê alcança a tomada desprotegida com seu dedo. O fato é que as queimaduras são uma das principais causas de traumas domésticos envolvendo os pequenos. “Acidentes não conseguimos prevenir, já os traumas sim”, diferencia o doutor Roberto Tozze, pediatra do Instituto da Criança.
Prevenção é mesmo a palavra-chave a partir do momento que o seu bebê sair do colo. Lembre-se de que a cozinha é o ambiente da casa mais arriscado para o seu filho, por isso prefira mantê-lo em outro cômodo, principalmente na hora do preparo das refeições. Mas, se for inevitável, o doutor Roberto orienta: ao cozinhar, mantenha os cabos das panelas virados para dentro ou opte pelas bocas traseiras do fogão.

A parte elétrica da casa também merece atenção redobrada quando pequenos e curiosos dedinhos já começam a perambular pelo chão. Faça, então, uma perícia minuciosa e certifique-se de que os fios dos equipamentos estão encapados e as tomadas devidamente protegidas. Você encontra as capas com facilidade em lojas de material de construção. “Também não se esqueça de manter o ferro de passar bem longe das crianças”, reforça o doutor.

Mesmo seguindo as medidas preventivas, nenhuma família está totalmente imune aos riscos do dia a dia, certo? Então, não se desespere diante de uma queimadura. Acalme-se e aprenda a tomar a atitude certa com o doutor Roberto:

Diante de qualquer queimadura por fogo, apenas lave a região afetada com água corrente. Em hipótese alguma utilize óleo, creme dental, manteiga nem qualquer que seja a pomada. Isso só vai dificultar o curativo correto, que terá que ser limpo no hospital, o que pode agravar ainda mais a lesão. Após lavar a região, vá ao hospital e deixe que a equipe médica cuide do seu bebê.

Em caso de choque elétrico residencial, dificilmente a criança sofrerá um dano muito grave. Não se preocupe se o bebê ficar irritado e choroso. Mas, se ele desmaiar, leve-o imediatamente ao serviço de emergência. “Obrigatoriamente, a corrente elétrica entra por um ponto do corpo e sai por outro. Nesse caminho, a corrente pode passar pelo coração e provocar uma arritmia ou parada cardíaca”, explica Tozze.

Identifique os tipos de queimadura

1º grau – trata-se de um processo inflamatório em que a pele fica apenas avermelhada. Neste caso, o quadro só é considerado grave se a região afetada for extensa e atingir articulações, mãos e face. “Queimaduras no rosto podem comprometer as vias aéreas e, nas articulações, dependendo do caso, provocar atrofia”, complementa doutor Roberto.

2º grau – quando a lesão apresenta bolhas é um indicativo de que a queimadura foi mais profunda. Atenção! Nunca estoure a bolha. Somente mediante indicação e auxílio médico. “A pele é o órgão de proteção do corpo. Uma queimadura expõe a vítima a infecções e perda de líquido e a bolha é uma reação do organismo para, de alguma forma, manter essa proteção”, ressalta o pediatra. No entanto, se a bolha estourar sozinha, não deixe de procurar assistência médica.

3º grau – casos dessa gravidade dificilmente ocorrem em ambiente doméstico. Mas essa queimadura tem aparência esbranquiçada e, na maioria dos casos, a vítima não sente dor, sinal de que o nervo foi atingido e afetou a sensibilidade.

ABC da Saúde Infanto-Juvenil. Todos direitos reservados |2013