busca por faixa etaria

O que será que ele engoliu?

| 24.10.2014

da redação

Moedas e baterias de relógio estão entre os objetos mais engolidos no Pronto-Socorro do Instituto da Criança. Em caso de acidente, tentar resolver em casa é perder tempo precioso! Leve seu filho direto ao serviço de emergência mais próximo

Nunca é demais reforçar a importância de manter os objetos pequenos, pontiagudos, além dos produtos químicos e de limpeza doméstica longe do alcance das crianças. A partir dos oito meses, quando a criança já faz o movimento de pinça, unindo o dedo indicador e o polegar, os pais devem redobrar a atenção com os objetos que estiverem ao redor do pequeno. “Isso porque na fase oral, até os dois anos de idade,  é normal que eles levem tudo à boca. Eles já têm habilidade motora para isso, mas não têm o juízo do adulto para saber que não pode engolir, explica doutora Regina Maria Rodrigues, pediatra emergencista que atua no Pronto-Socorro do Instituto da Criança.

As moedas e baterias de relógio são os campeões entre os objetos engolidos pelas crianças que são admitidas na emergência do ICr. A especialista conta que diante dessa situação, a única recomendação é levar o paciente ao Pronto-socorro. Tentar resolver em casa fará os pais perderem tempo precioso, além de ver o quadro se agravar ao forçar o vômito ou colocar a mão na boca da criança para retirar o objeto. “Isso porque se o paciente tiver engolido soda cáustica, por exemplo, e os pais provocarem o vômito, o produto vai voltar queimando o esôfago. Se for um objeto pequeno, o adulto provavelmente vai empurrá-lo ainda mais”, detalha doutora Regina.

Além de levar objetos à boca, a criança pode colocar no nariz. Esta é outra situação que não pode ser resolvida em casa. O pediatra Roberto Tozze reitera a importância de encaminhar o paciente ao serviço de emergência para que o médico tome as devidas providências. “É muito perigoso querer tirar esse objeto sozinho, pois a criança pode aspirar, causando insuficiência respiratória”, ressalta doutor Roberto.

O recomendável é que sempre haja um adulto de vigília quando o assunto é criança pequena, certo? Mas apenas alguns minutos de descuido são suficientes para que o pequeno engula algo sem que os pais percebam, o que dificulta o pronto-atendimento. Neste caso, os pediatras ensinam a identificar os possíveis sinais de ingestão:

 

Se a criança chorar incessantemente;

Tiver falta de ar ou salivar muito;

Se a boca ou região da mucosa bucal estiver lesionada, com cor diferente;

Se a criança começar a tossir, de maneira não comum;

Vomitar com odor ou cor estranha.

 

“No entanto, os sintomas serão imediatamente perceptíveis apenas se o objeto engolido ficar preso no esôfago ou se for um produto químico que queime, como a soda cáustica, por exemplo. Se for um objeto pequeno, vai descer sem que os pais percebam. Baterias de relógio só dão sinal depois, quando se rompem no organismo e a criança corre o risco de sofrer uma perfuração de esôfago ou intestino”, detalha doutora Regina.

Por isso, o melhor remédio é manter o ambiente sempre limpo para que as crianças brinquem seguras!

ABC da Saúde Infanto-Juvenil. Todos direitos reservados |2013