busca por faixa etaria

Como um reloginho

| 23.02.2015

da redação

Para driblar a constipação intestinal tenha atenção à composição do cardápio e à hidratação da criançada, estimule a pratica de atividade física e conheça aqui alguns aliados para uma dieta saudável desde a infância

Supositórios de glicerina ajudam a lubrificar o canal do ânus, entretanto, só devem ser administrado com prescrição médica. As massagens abdominais e com a flexão das perninhas do bebê também são recursos paliativos para aliviar os gases. “Entretanto, ambos vão resolver apenas momentaneamente, mas não resolvem o problema. A melhor medida para controlar a constipação intestinal é estar atenta à composição dos pratos da criançada e à consistência adequada”, explica doutora Yu Kar Ling Koda, gastroenterologista pediátrica.

O que ocorre é que, sobretudo, na etapa de migração do aleitamento exclusivo para a introdução das primeiras papas, muitas mães repetem ingredientes do grupo dos carboidratos e não consideram os demais grupos de alimentos como verduras, leguminosas, legumes e proteínas. “Além disso, é comum baterem tudo no liquidificador achando que devem facilitar a refeição oferecendo sopa aos bebês. Mas, na verdade, sem querer, agindo assim estão predispondo os pequenos aos quadros de constipação, pois, há perda de nutrientes e, principalmente, das fibras, que auxiliam nesse processo”, alerta a nutricionista Glauce Hiromi Yonamine.

A nutricionista também desmistifica outro receio das mães, que têm medo de introduzir alimentos mais sólidos. “O bebê não precisa ter dente para mastigar, pois a gengiva é dura o suficiente para ajudá-lo a quebrar os alimentos amassadinhos com o garfo. Pelo contrário: eles devem aprender os movimentos mastigatórios e isso só vai acontecer se a consistência for mais espessa, de purê. Se for líquida, ele vai apenas engolir.”

Por outro lado, não há problema em deixar a carne desfiada e a verdura cortada em pequenos pedaços. “Por isso que a introdução tem que ser gradativa, para que a criança vá treinando movimento mastigatório. Assim, quando chegar a vez da carne, ela já vai aceitar melhor”, explica Glauce.

Em torno de sete para oito meses, depois que a criança aceitou bem um prato principal, aos poucos, a janta pode ser oferecida. Entre o oitavo e nono mês, é possível tentar pequenos pedaços, até chegar à consistência da refeição da família. A partir dos dez meses a um ano de idade, sirva o mesmo cardápio da família, desde que seja sem muito tempero industrializado, sal, sem frituras e gorduras. A regra é ser o mais saudável possível.

E para sobremesa…

As frutas devem ser servidas concomitantemente à papa salgada. Não necessariamente precisa ser suco da fruta, pode ser amassado também. “Em porções exageradas, os sucos podem predispor à obesidade, já que na bebida, a criança acaba ingerindo as calorias de três laranjas, por exemplo. Sem contar que ao liquidificar você tira a casca, bate, coa. Novamente, perdem-se nutrientes e fibras”, alerta a nutricionista.

Confira as recomendações da especialista sobre como pequenas observações na dieta podem auxiliar a mãe numa condição de constipação:

Analise o hábito alimentar da criança – Veja o que é possível mudar, porque muitas vezes trata-se daquela criança que não aceita fruta, legumes e verdura. Mas, vamos lembrar que a escolha da criança, muitas vezes, é consequência do hábito da família. Então, todos devem mudar!

Cheque o nível de hidratação – Não se trata apenas de melhorar a ingestão de fibras, a hidratação deve caminhar junto, pois a fibra depende da água para favorecer o trânsito intestinal.

Estimule a prática de exercícios – Atividade física sempre ajuda. A criança que só fica deitada, assistindo TV, não estimula o intestino a funcionar.

Regule o reloginho – Por volta dos quatro anos, quando a criança já controla suas necessidades fisiológicas, vale lançar mão do treinamento evacuatório para conter a constipação. “Normalmente, o nosso intestino funciona bem após as refeições, então, a mãe pode ajudar seu filho a criar o hábito de ir ao banheiro para evacuar. Todo o dia, no mesmo horário.”

Evite fazer lanches fora de hora – Para evacuar, é necessário acumular uma porção considerável de alimento, então, ficar petiscando a todo momento dificulta o processo. Por isso, faça refeições completas em horários adequados. Acordar, não tomar o café da manhã e ficar a manhã toda sem comer também atrapalha completamente o funcionamento intestinal.

Proibido proibir – De acordo com Glauce nenhum alimento precisa ser banido do cardápio do constipado, desde que esteja equilibrado na dieta dele. A maçã, por exemplo, costuma ficar esquecida na fruteira dos que sofrem com o intestino preso, mas se a casca for mantida, não há contraindicação. Há alimentos como mamão, ameixa, bagaço da laranja que tendem a soltar o intestino, mas existem também alimentos cuja atuação é variável de pessoa para pessoa e isso deve ser levado em consideração.

Conheça seus aliados – Para unir forças no combate à constipação, você pode preparar um mingau de aveia (pode acrescentar banana também), estourar pipocas ou servir milho cozido. Esses alimentos têm bastantes fibras e costumam ser bem aceitos pelas crianças.

Existem outras estratégias de suplementação de fibra como farelo de trigo, chia, linhaça, além dos módulos de fibra industrializados para regularizar o trânsito intestinal. Mas, o ideal é buscar orientação do seu pediatra ou nutricionista antes de aderir a esses ingredientes. Combinado?

A seguir Glauce sugere como mensurar as porções dos alimentos durante a introdução dos alimentos, mas lembra que trata-se apenas de um norte, já que o apetite vai variar conforme a criança. A especialista reitera ainda que esse esquema é direcionado para crianças saudáveis, que foram amamentadas e que não tenham doenças. “Se a criança tiver algum problema de desenvolvimento, a introdução pode ser diferente.”

2 colheres (de sopa) de carboidrato

1 colher (de sopa) de leguminosa

2 colheres (de sopa) das carnes

 1 colher (de sopa) de legume

1 colher (de sopa) de verdura

Metade de uma pera ou maça, meia banana já é considerada uma porção. Procure variar a fruta.

Você conhece os grupos alimentares?

Carboidratos Proteína Leguminosas Verduras Legumes
Pães Carnes Feijões Alface Cenoura
Batatas Queijo Lentilha Escarola Beterraba
Macarrão Leite Ervilhas Couve Chuchu
Biscoitos Iogurte Vagem Espinafre Abobrinha

 

 

ABC da Saúde Infanto-Juvenil. Todos direitos reservados |2013